sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ESTER X CHAGAS, MAGNO X IIPP E PAULO DINIZ X ASSUNÇÃO ABREM O JEUS AMANHÃ

A Solenidade de abertura do XIII Jogos Estudantis Urbanosantenses acontecerá às 16h na praça do Peneirão.

Após a abertura as escolas sairão em desfile pelas ruas da cidade chegando até o Ginásio Poliesportivo Bernardinho, onde acontecerá a 1a. rodada de partidas do JEUS a partir de 20h.

A 1a. rodada contará com 3 jogos: Ester Flora x Chagas Araújo e Magno Bacelar x IIPP no futsal juvenil e Paulo Diniz x Assunção no futsal infanto.

Que vençam os melhores!

Veja abaixo a tabela completa do XIII Jeus

(Atenção: as tabelas abaixo podem sofrer alterações de acordo com a Comissão)

Jogos do Ginásio Bernardinho:







Jogos do Complexo Esportivo:


O 1o. jogo será EJA Magno x Emilia e não Eja emilia como na tabela acima

O 1o. jogo será Ester x Chagas e não EJA emilia como na tabela acima





terça-feira, 20 de novembro de 2012

O JEUS VOLTOU: JUVENTUDE LONGE DAS DROGAS.


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

RIO DO POVOADO TODOS OS SANTOS DESAPARECEU, ELE ERA AFLUENTE DO RIO BOA HORA


Rio Chibel do Povoado Todos os Santos secou

...No tocante à bacia do Rio Munim, um caso extremo constatado durante o trabal de campo, no município de Urbano Santos, diz respeito ao desaparecimento por completo do Rio Chibel, localizado no povoado Todos os Santos. 

O referido rio fazia parte da microbacia do Rio Boa Hora, por sua vez pertencente à bacia do Rio Munim, que tem como afluente principal o Rio Mocambo. Esta microbacia possui uma área de 58.812,64 hectares, com um percurso de 42 km de extensão do seu rio principal desde a nascente, no povoado Seriema, à sua foz na zona urbana de Urbano Santos (CONCEIÇÃO FILHO; LEMOS, s/d, p. 3 - 4).

Este recurso hídrico se constituía em importante fonte de sobrevivência para os moradores e, segundo os informantes, começou a perder seu volume hídrico, até secar totalmente, a partir da década de 1980, mais especificamente no ano de 1983, coincidentemente, na mesma época em que se iniciaram os plantios de eucalipto no referido povoado, exatamente à montante de suas cabeceiras, pelas então empresas JS Florestal e Plantar.

Considerando a devastação e extinção dos recursos hídricos, tomou-se o caso de Todos os Santos como situação limite, para demonstrar os estragos ambientais provocados no município de Urbano Santos e os dramas sociais deles decorrentes.

A este respeito, afirma um dos entrevistados nesse povoado:
E - Nós... nós tinha uma lagoa muito grande chamada Baixinha, essa lagoa dava muito peixe, onde todo animal bebia. Aí eh... ela... essa lagoa tava lá, aí o pessoal tava pescando, o pessoal foram pescar. Aí eu disse: ‘você sabe de uma coisa, pra vocês, vocês nunca mais pescam mais naquela lagoa! Adeus para sempre!’ Ta aí... peixe, traíra que dava de quilo e meio, dois quilos.
P – Muito?
E – Muito peixe. Tem gente que pegou foi de paneiro de peixe. E foi... até hoje ta levantando poeira, quando dá no verão levanta poeira. Nunca foi água mais pra lá. E nem nos final das casas ali é difícil ir água.
P – Mas é por que... eles interromperam a água?
E – Que eles interromperam a água. Deixaram o baixão... deixaram... não deixaram nada no baixão! Eu mostro pra vocês, eu mostro tudo. Olha, só aqui em Urbano Santos tem Baixa das Palmeiras, que tem lagoa lá que era lagoona que ainda batia bem nisso aqui da gente [ mostra a altura da cabeça], eu passava nadando. Hoje ta seca. Aquele riacho que bem acolá assim, vocês passaram por ele, lá nós passava nadando de primeiro. Hoje, não tem mais nada.
(...)
E – (...) Eu posso amostrar o riacho ali, bem aí tem um riacho aí, aonde botava puba de molho, bem ali... de primeiro, quando não tinha tanque, botava puba bem ali e tal ... só se você vê: seco, seco! Secou... as plantas aqui...o... aqui o buriti, tudo no seco, não tem peixe, tudo no seco. Ontem eu saí aqui, fui até lá em baixo, só tem umas lagoas lá em baixo, acolá. O resto! Chegava, eu batia assim o pé na beira da água... hoje não cria nem peixe.
(...)
E - E hoje lá ta tudo aterrado. Ontem eu passei...eu passei ontem no... como eu tava lhe falando, eu passei lá na Baixinha, olhando tudinho, observando tudo o que já foi aqui, a água aqui, pescava aqui, hoje não tem ... já ta só... só terra! Não tem água, mas da Taboca não tem água, mas tinha, não tem água. Pausinho não tem água. Baixo das Palmeiras não tem água. É cabeceira do rio lá de Urbano Santos [Rio Boa Hora].
(...)
E - Bem daquele riacho é um galho [um braço], vai pra lá pra Baixa das Palmeiras e vai pra banda da Taboca. Lá dentro tem outro galho [ braço] que vai pra Baixinha e vai pra ... Taboca. Lá adiante tem outro galho que vai pra o Pauzinho. E tudo era cheio de água, e, tudo era cheio de peixe. Aqui tinha muita fartura. Era uma beleza (...) Era um sonho! Era um sonho, hoje não tem mais...

Além de plantar eucalipto nas cabeceiras dos rios e riachos, as terceirizadas da Suzano desviam a água desses corpos hídricos de seu curso normal, fazendo com que seja dirigida a seus plantios, problema apontado em mais de um povoado. Conforme o depoimento do entrevistado:
E – A destruição aqui é grande. Faz calombo no meio da estrada... eles faz que é pra água não descer no riacho, só desce, só fica lá dentro [do eucaliptal].
P – Desvia a água?
E – Desvia a água e faz calombo no meio da estrada, faz calombo. Aquela água que vem de lá pra cá.
P – Mas é de propósito?
E – É! Ele faz de propósito, eles faz aqueles calombo no meio.
P – Pra água ir pra onde eles querem?
E – Ir pra onde eles quiserem, lá pra dentro do eucalipto. Que os eucalipto são daqueles...que consomem muita água, muita água demais...

Caminhando com os entrevistados, marcando pontos de GPS e filmando a conversa, os pesquisadores colheram outro depoimento, no mesmo sentido:
P: Qual era o nome desse riacho aqui?
E: Esse aqui? Esse aqui se chamava Chibel. (...) em oitenta e dois o rio começou a secar (...) que foi a chegada da [empresa] Florestal...
P: Mas esse rio ele fornecia peixe?
E: (...) Peixe. Muito peixe. Peixe com fartura. Nós passava aqui... nós botava um cocho[canoa] e atravessava de um lado pra outro...
P: E hoje ele se encontra desse jeito...
E: E hoje ele se encontra nessas condições...
P: Mas você acha que isso é devido a quê?
E: É devido ao eucalipto (...). Ele que faz isso aqui, é o eucalipto. (...). Só pra cá tem três cabeceiras desse riacho aqui e tão todos os três desse jeito. Tem Pauzinho mais a Taboca, tem Baixinha, tem a cabeceira do Baixo das Palmeiras. (...) Aqui é onde eu pescava, que eu tava contando pra vocês. Aqui é aonde eu vinha. A mulher fazia o almoço... fazia o almoço, mas não tinha mistura, eu vinha pescar aqui, pegava o peixe com a mão, parece uma mentira mas é verdade, pegava peixe com a mão...
P: Secou tudo?
E: Secou tudo. Daqui pra frente vocês tão vendo aqui... daqui pra frente esse riacho pegava de um lado a outro aqui, de um lado a outro, todinho de um lado a outro. Olha aí, ta tudo seco! Aqui nós passava, a água passava... agora ta tudo seco, tudo seco. Só tem muita água aqui porque choveu. Outro dia passei aqui tava sequinho....
P: Isso tudo você associa ao plantio de eucalipto?
E: Ao plantio de eucalipto. Porque não tem as cabeceiras, não vai mais água pras cabeceiras e não pode mais descer água pro riacho...
P: As cabeceiras desse rio ficam na chapada?
E: Fica na chapada, na chapada...
P: Onde ta sendo plantado o eucalipto...
E: Onde ta sendo plantado. Eu peguei peixe na chapada! (...) quando chovia eu ia pegar peixe na chapada, ficava aquele poço de água, a gente subia pra chapada e ficava, aí no riacho ficava muito peixe, hoje não tem mais nada...
P: Nem lá e nem aqui...
E: Nem lá e nem aqui, não tem mais. Vocês tão vendo aí a largura que era o riacho aqui...

A fartura de peixes e a abundância de água desse corpo hídrico contrasta com o que os pesquisadores observaram e filmaram. Conforme explica o entrevistado, de acordo com a época do ano, as águas do rio adentravam as chapadas e, conforme baixavam, permanecia uma lama. O entrevistado se guiava pelas borbulhas que os peixes faziam e, metendo sua mão, conseguia agarrá-los e assim prover o alimento para a família rapidamente. Percebe-se, assim, o quanto a dieta dessas famílias foi comprometida com o secamento desse rio e o quanto sua vida tornou-se mais difícil, passando elas a depender, agora, da compra de alimentos industrializados e, portanto, de entradas monetárias fixas, seja de salários ou de aposentadorias/bolsas. O contraditório nesta situação é que produtores de alimentos autônomos, passaram a depender de auxílios governamentais para poder sobreviver. Neste caso, esses empreendimentos produzem a miséria e não o que chamam de desenvolvimento.

Observe-se, no mapa ao lado, o destaque em vermelho para o que seria o curso desse rio, no povoado Todos os Santos. Para tal representação, utilizou-se como referência uma carta da Diretoria de Serviço Geográfico (DSG), do município de Urbano Santos, de 1977. 

A escolha desta base cartográfica deu-se justamente por sua antiguidade e detalhamento. Como se percebe, os recursos hídricos aí aparecem com grande riqueza de detalhes, dos rios principais a seus afluentes e subafluentes. Desse modo, por meio da marcação de pontos de GPS no referido rio, a partir da indicação dos moradores, foi possível localizá-lo nessa base cartográfica.

Fez-se, ainda, a representação de plantios de eucalipto existentes no povoado, destacados no mapa em verde, igualmente com base em alguns pontos de GPS marcados nesses locais. Menciona-se que em Todos os Santos há várias outras plantações da espécie em questão e se decidiu por representar somente estas pelo fato de estarem, conforme depoimento dos moradores, situadas próximas às principais cabeceiras do Rio Chibel e, portanto, responsáveis diretamente por sua extinção.

Observa-se, a partir do mapa, que se tratava de um rio relativamente extenso e, como mostrado no depoimento acima, expressivamente largo e piscoso. Um dos motivos para ter secado por inteiro, está relacionado ao fato de os plantios de eucalipto terem sido realizados exatamente em suas principais cabeceiras, denominadas pelo entrevistado de Pauzinho, Taboca, Baixinha e Baixa das Palmeiras. De fato, segundo nos informa Lima (1993), a alta demanda de água da espécie (eucalipto) esgota a umidade do solo e destrói a descarga da água subterrânea, desestabilizando o ciclo hidrológico.

RECURSOS HIDRÍCOS EXTINTOS OU AMEAÇADOS DE EXTINÇÃO:
Bonfim
Entrevistados apontam a diminuição, a cada ano, do leito do rio que passa no povoado (afluente do Rio Preguiças).
Plantação de eucaliptos na nascente do rio, em local chamado Campineira.

Ingá
Os carros e tratores da Suzano deslocam-se pelo leito do rio que dá acesso ao povoado provocando aterramento.

Juçaral
A Lagoa da Onça, localizada na nascente do riacho que banha o povoado, está completamente seca e com extinção de sua fauna nativa. A diminuição de seu leito vem ocorrendo desde a devastação da vegetação, a cerca de 50 metros de suas margens, para implantação de campos de eucalipto. Segundo os moradores, era uma lagoa funda, que permanecia sempre cheia, e abrigava jacarés, sucurujus e variedades de peixes. O riacho também diminuiu sem volume. Duas grotas que atravessam o povoado – chamadas grota Pau D’Arco e grota Cedro- têm origem na pequena área de chapada restante, que está na iminência de devastação pela empresa para novas plantações de eucalipto.

Mangabeirinha
Redução do volume de água do rio e da única lagoa existente no povoado, chamada Lagoa de Mangabeirinha.
A construção de estradas pela empresa vem provocando o assoreamento da Lagoa. Em períodos chuvosos, a areia e detritos escoam para dentro da Lagoa assoreando-a. As famílias fazem barreiras para impedir esse processo, mas a ação da chuva provoca a destruição das barreiras.

Todos os Santos
Extinção dos corpos hídricos que servem o povoado e de sua fauna nativa. Os entrevistados afirmam que utilizavam os corpos hídricos que servem o povoado ou estão próximos e que, nos dias atuais, não encontram mais água denominando essa situação como sequidão. A alternativa encontrada é o uso da água de poços dos quintais, mas que não é considerada boa para consumo.
Desaparecimento do Rio Chibéu.
Desaparecimento da Lagoa da Baixinha e de sua fauna nativa.
Desaparecimento das nascentes de três riachos – Pauzinho, Taboca e Baixinha.
Desaparecimento da chamada Baixa das Palmeiras, local próximo ao povoado onde fica a nascente do Rio da Boa Hora e onde, atualmente, existem plantações de eucalipto.
Aterramento da Lagoa das Cajazeiras.
Desaparecimento de local utilizado para banho das famílias chamado Baixa Seca.

Trecho do relatório de pesquisa "CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS NO LESTE MARANHENSE, problemas provocados pela atuação da Suzano Papel e Celulose e dos chamados gaúchos no Baixo Parnaíba", de elaboração do Grupo de Estudos Rurais da UFMA sob a coordenação da antropóloga Profa. Dra. Maristela de Paula Andrade.

Veja o relatório na íntegra aqui

domingo, 18 de novembro de 2012

FÓRUM DE URBANO SANTOS SUSPENDERÁ ATENDIMENTO AO PÚBLICO

O fórum da comarca de Urbano Santos vai suspender o atendimento ao público a partir da segunda-feira (19) até o dia 30 de novembro, bem como as audiências designadas para este período. O motivo é a reforma estrutural pela qual o prédio vai passar, tanto na parte interna quanto na parte externa.

Segundo a juíza Odete Maria Pessoa Mota, titular da comarca, as audiências com réu preso não serão suspensas, elas serão realizadas no cartório eleitoral. “Fica absolutamente impossível manter o regular funcionamento das atividades jurisdicionais durante a execução das referidas obras”, esclarece a magistrada.

Entre os serviços a serem realizados no prédio, será substituído todo o piso da área interna, incluindo sala de audiência, gabinete, secretaria judicial, copa recepção, banheiros, além da necessidade de colocação de divisórias. Serão demolidas algumas paredes e o balcão de concreto, e haverá a substituição de forro do teto, bem como uma pintura geral.

Na Portaria que determina a suspensão do atendimento ao público e a realização de audiências no período citado, a juíza informa que o serviço de distribuição também ficará suspenso, observando que as medidas urgentes serão requeridas em plantão judicial.

Fonte: CGJ/MA

URBANOSANTENSE PRESO ACUSADO DE ROUBAR PORCOS EM SÃO BENEDITO


Foto: blog do Willian
Adriano da Silva Santos, residente no Bairro São José, se deu mal ao ser flagrado com quatro porcos (dois estavam mortos) na cidade de São Benedito do Rio Preto-MA.

Ele não contava com a “astúcia” de um corajoso cidadão de nome Bruno Ferreira, que ao detectar o ato ilícito, o amarrou e o entregou ao Sargento Neres, comandante do Destacamento da PM local, subordinado à 4ª CI de Chapadinha.

Segundo Neres, o acusado portava um facão e uma espingarda bate-bucha e andava em uma moto HONDA/CG TITAN 150, COR AZUL. Adriano confessou o delito e disse que com ele havia um comparsa, também de Urbano Santos, mas que conseguiu evadir-se do local.

O delegado de São Benedito do Rio Preto recambiou o acusado para Urbano Santos-MA.

Fonte: blog do Willian

sábado, 10 de novembro de 2012

TURIAÇU RESOLVE O PROBLEMA DE ANIMAIS SOLTOS COM ACORDO ENTRE PROMOTOR, CRIADORES E SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA


A Promotoria de Justiça da Comarca de Turiaçu firmou Termo de Ajustamento de Conduta, em 6 de novembro, com 36 criadores de animais e com o secretário municipal de Agricultura, José Américo Pires Rodrigues, com o objetivo de ordenar a criação de animais no referido município, localizado a 469km de São Luís.


Ficou estabelecido que os criadores devem manter os animais presos em suas propriedades, em cercas ou amarrados. Os animais devem ser bem tratados com água e comida. Não devem ficar amarrados por muito tempo nem permanecer isolados.

Carroças devem transportar no máximo 300kg, o que equivale a seis botijões de gás. O transporte deverá ser feito somente de dia, nunca à noite.

A Secretaria Municipal de Agricultura se comprometeu a recolher qualquer animal encontrado solto na cidade, que só poderá ser liberado por meio de pagamento de taxa no valor de R$ 150, independentemente do porte. Caso o dono não apareça no prazo de 48 horas, o bicho será leiloado ou abatido.

O descumprimento das condições estabelecidas no TAC acarretará o pagamento de multa no valor de um salário mínimo, atualmente R$ 622,00. A pena será duplicada em caso de reincidência. Se houver um terceiro flagrante, o proprietário ficará proibido de realizar qualquer trabalho com o animal.

ACIDENTES
De acordo com a promotora de justiça Sandra Fagundes Garcia, que propôs o TAC, é um prática comum em Turiaçu deixar animais soltos nas vias públicas, o que tem causado acidentes, inclusive com vítimas fatais. Lavouras também são prejudicadas pelos bichos soltos. Um abaixo-assinado com mais de 300 assinaturas foi entregue à Promotoria de Justiça solicitando providências para acabar com o problema.

Uma Recomendação foi expedida no começo do mês de agosto sugerindo providências a serem tomadas pela Prefeitura de Turiaçu para coibir a criação irregular de animais.
Redação: Eduardo Júlio (CCOM - MPMA)

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

MAO TSE TUNG? -EU NÃO CONHEÇO ESSA PLANTA...


Estive ontem no encontro de 50 anos no Brasil da das Irmãs Notre Dame(mesma ordem da Irmã Doroty Stang), na foto Dom Xavier Gilles de Maupeou d’Ableiges, Prof. pós-doutoura, orientadora de minha monografia, Maristela Andrade e o companheiro Zé Martins de Urbano Santos.

Fomos ao encontro de José Antônio Magalhães Monteiro. O então Pedre Zé Antônio foi preso em nossa cidade e torturado durante a ditadura militar em 1970, denunciado de ser "comunista" por optar pelos pobres e por articular as Comunidades Eclesiais de Base em Urbano Santos junto com Xavier no Maranhão, que também acabou detido no mesmo período.

Já o lavrador Zé Martins foi intimado pela Polícia Federal para depor sobre a "grave" denúncia...  quando inquirido sobre o que sabia a respeito de, por exemplo, Mao Tse Tung, o camponês do alto de sua intelectualidade orgânica não titubeou: -Seu doutor, não conheço nem nunca ouvi falar dessa planta... Esta história foi relembrada por Dom Xavier.

Padres Xavier e Zé Antônio
Infelizmente uma série de desencontros fizeram com que eu não conseguisse entregar ao Pe. Jose Antônio uma homenagem da turma de sociólogos(tal qual o próprio), formados pela Ulbra recentemente em Urbano Santos.


Aguardamos-lhe em Urbano em breve.


Veja mais sobre José Antônio Monteiro aqui, aquiaqui e aqui.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

MINHA HOMENAGEM À JOÃO PAULO,CABO ELEITORAL EMPENHADÍSSIMO: ELE É "O CARA"...


GRUPO DE VOLUNTÁRIOS EM DEFESA DOS RIOS URBANOSANTENSES FAZ MAIS UM MUTIRÃO DE LIMPEZA NO RIO MUCAMBO

Correção: 
esta ação não foi realizada pela ONG Entrerrios como este blog havia divulgado e aproveita a oportunidade para se desculpar com a entidade que faz ações na mesma linha e que tem desempenhado um papel importante em nossa cidade.
vereadora eleita Layde Ramos dando sua contribuição

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

STTR DE URBANO SANTOS FAZ 49 ANOS...


Hoje nosso Sindicato fez 49 anos.
Portanto, parabéns à todos que ajudaram a construir a entidade, ao povo e todos os diretores da atual gestão.

O que temos feito é para os todos os sócios reconhecerem o direito que eles tem no Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais.

Nós estamos sempre buscando informações e direitos para a categoria perante aos órgãos competentes, amanhã mesmo iremos a São Luís na companhia de mais de 10 diretores de associações em busca de melhorias para suas comunidades. 

Agradecemos os associados e parceiros. E a todos aqueles que acreditaram o nosso muito obrigado! 

Lúcia Torres

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

O URBANO SANTOS ON-LINE PUBLICOU EM...

...NOVEMBRO DE 2009

Foi realizado no último dia 12 de outubro de 2009, no município de Urbano Santos-Ma, a entrega de brinquedos para crianças entre 04 e 10 anos de idade, pela Associação Recreativa e Cultural Bloco N.T.I. na Campanha do Dia das Crianças – “Seja Solidário, faça uma criança sorrir!” na qual mobilizou parte da população e do setor privado urbanossantense que colaborou com doações.

Uma das maiores colaborações ocorreu com a gincana realizada no dia 11/10, na qual foram inscritas 07 (sete) equipes, sendo elas: ENTRERRIOS, A.B.D.G., FACÇÃO B13, OS IMPROVISADOS, TWISTER’S, JUVENTUS E CHUPKITO. E que contou também com o corpo de jurados formados pelo Prof. Raimundo, Profa. Lila, Elke e Doriana.

A gincana aconteceu durante todo o dia 11/10, envolvendo várias atividades. Com o objetivo maior de arrecadação de brinquedos, a gincana teve seu êxito concluído com a arrecadação de 554 brinquedos, pelas equipes participantes. Sendo que tivemos como campeã da gincana a equipe Entrerrios, ficando em segundo a equipe Twister’s e em terceiro a equipe A.B.D.G.

No dia 12/10, ocorreu a entrega dos brinquedos arrecadados com a campanha para as crianças de 04 a 10 anos de idade, no Colégio Chagas Araújo, no período da tarde.

Foram realizadas atividades de recreação, pintura, exibições de filmes infantis e etc. Também foi realizado um lanche com mini-cachorros quentes, bolos, salgadinhos, sucos e refrigerantes.

Gostaríamos de agradecer a todos que participaram dessa campanha e fizeram com que ela se tornasse um grande sucesso na nossa cidade de Urbano Santos, e esperamos que possamos não somente no dia das crianças, mas também nos outros dias dos anos levar sempre alegria e carinho para nossas crianças, pois elas merecem toda a nossa atenção, afinal elas são o futuro de nosso País.

Agradecemos de forma especial a todos que nos ajudaram durante toda a nossa campanha, em especial a Luzimara Barbosa dos Santos, Marcio Endles Advocacia e Consultoria, Água Mineral Lençóis Maranhense, Panificadora Pão Nosso, Comercial Amorim, Real Móveis, Posto Central, Rádio Ponte Nova FM, Gráfica e Papelaria São Francisco, Liderfarma e todos os outros estabelecimentos de Urbano Santos que nos ajudaram.

Também não podemos deixar de agradecer todos nossos amigos e amigas que se colocaram disponíveis no dia 12/10 na entrega dos brinquedos na escola do Colégio Chagas Araújo.
POR: Associação Recreativa e Cultural Bloco N.T.I.

...NOVEMBRO DE 2010

PRECARIEDADE: QUARTEL DA POLÍCIA MILITAR EM
 URBANO SANTOS

...NOVEMBRO DE 2011
TIQUIRA: 1 LITRO(1000ml) PODE CHEGAR A  R$ 40,00 NA INTERNET!!!


Ela parece gasolina de avião... levemente azulada devido ao 'tempero' com folhas de tangerina que são colocadas em infusão ou mesmo de corantes, estória certa é que se tomar uma boa talagada e banhar logo após o sujeito corre sério risco de ir morar na cidade dos pés juntos, de bater as botas mesmo, morrer "estoporado", para ser mais preciso...

É a tiquira, produzida e consumida em Urbano Santos e região que agora virou produto de delicatessem, alcançando os mercados de outros estados e países, chegando a ser vendida pela internet por preços que podem chegar ao equivalente a R$ 40,00 o litro. 

No maior site de vendas pela rede, o mercado livre, ela é oferecida a R$ 25,00 o recipiente com apenas 600 ml.

Vou descrever aqui no blogue Urbano Santos On-Line o processo de fabricação desta bebida, que apesar da invasão dos grandes fabricantes de cachaça industrializada, com suas marcas amplamente divulgadas, como pitú, pirassununga 51 e caninha do engenho, segue brava resistindo, atravessando os séculos sendo produzida de forma artesanal.

Começamos fazendo o merecido resgate histórico da bebida: remonta-se assim, o conhecimento indígena que manipulava a mandioca e o milho para a produção de um vinho que bebia-se ao festejar finais de guerra, boas colheitas e outros rituais por nome CAUÍ ou CAUIM, a produção do cauim era de responsabilidade das mulheres, exceto as menstruadas, dizia-se que nesta condição a bebida poderia estragar... ainda hoje há restrições parecidas, no alambiques (fábricas artesanais de tiquira) não lhes querem por perto nestas condições.

Veja em fotos abaixo o processo completo de fabricação artesanal da tiquira, sem falar no plantio da mandioca, assunto para outra postagem...

RECEITA DA TIQUIRA ARTESANAL URBANOSANTENSE
1. Arranque a mandioca.

2. Rale a manidioca sem descascar e prense a massa obtida, para retirar o excesso do tóxico ácido cianídrico. 
Abaixo: massa, tipity (prensa artesanal) e prensa mais avançada.



Prensa tecnicamente mais avançada:

3. Faça discos de aproximadamente 30 cm de diâmetro que devem ser assados em chapas gigantes, ganhando assim o nome de BEIJUS, que devem ficar guardados entre 12 e 15 dias, ocasião que mofarão, nesta etapa trabalham os fungos que sacarificarão(açúcar) nossos beijus e que darão sabor levemente adocicado à tiquira... é o começo da fermentação.

 4. Deposite os BEIJUS mofados em recipientes com água em um nível que eles fiquem cobertos. Aqui eles passarão entre 2 e 3 dias, antes de serem remexidos formando uma sopa de aspecto... de aspecto... veja você mesmo na foto. O cheiro então nem se fala, nossos BEIJUS estão completamente podres... ou PUBOS como se diz por aqui.
 
 
 

5. Esta sopa resultante deverá ser fervida em  e seu vapor será resfriado em serpentinas de cobre, é a destilação, que resultará no produto final, a tiquira, de gota em gota, daí vem o nome TYQUYRA, do Tupi gotejar, gota, aquilo que PINGA...
   
 

 


6. A borra que sobra pode ser usada como adubo orgânico, bananais se dão muito bem com o refugo.
 

7. Para transportar a tiquira, sobretudo para regiões remotas como os lençóis maranhenses, municípios como barreirinhas, santo amaro, paulino neves, o mais adequado para o lombo de animais é a câmara de ar de caminhões, adaptadas para este fim, como a que vemos abaixo:
 

8. Por fim, é só arrochar o nó na tiquira, também chamada de cachaça da terra ou a "pôdi" mesmo.  Não esqueça: não banhar senão estopora! 
 

Graduação alcoólica de algumas bebidas:

Tiquira - 54%
Caninha do engenho e pirassununga -  39%
Cerveja Brahma  - 5%

Quem tiver coragem pode testar se realmente é fatal beber a tiquira urbanosantense e tomar banho depois, só peço que você relate essa experiência aqui no nosso blogue, você pode voltar e deixar um comentário... se não voltar, tudo bem... eu entendo... feliz dia de finados!